Estudar na Espanha -Parte 2

Quero começar dizendo o seguinte: Gente, fico muito feliz em receber os comentários de vocês no blog, e isso me incentiva a escrever mais! Obrigada pessoal, de verdade!

Hoje  voltarei ao tema “Estudar na Espanha” e quero falar um pouco sobre como foi o processo de retirada do visto e compra de passagem.

Bom, depois do resultado positivo e do passaporte em mãos, tive que reunir toda a documentação para dar entrada no visto de estudante lá no Consulado da Espanha  que, no meu caso, foi o escritório que está localizado no Rio de Janeiro.

Gente, para quem vai estudar e que não tem a tão sonhada dupla cidadania (de algum país europeu) prepare-se para a enxurrada de burocracia que inclusive aumentou bastante desde quando eu fui. 

Alguns documentos muito importantes para dar entrada neste tipo de visto são:

1. Formulário de solicitação do visto de estudante (Visto Schengen), que está normalmente disponibilizado na internet;

2. Passaporte com vigência mínima de 1 ano a partir da data de solicitação do visto;

3. Certificado médico. Neste caso eu fui no Hospital Espanhol no Rio de Janeiro, mas acredito que pode ser feito em outras instituições de saúde;

4. Certificado de Antecedentes Criminais, que é solicitado e retirado nas agências da Polícia Federal dos Estados;

5. Comprovante de meios econômicos – eis aqui uma questão: no caso de estudante, normalmente isto fica a cargo de um responsável que precisa assinar um termo, que eu fiz no cartório da cidade e minha mãe assinou como responsável, mesmo que a manutenção da estadia fosse por minha conta;

6. A carta de aceitação que você recebe do centro de estudos estrangeiros precisa ir junto da documentação para o Consulado;

7. Diploma e histórico escolar com a firma devidamente reconhecida em cartório. E para quem tem vontade de futuramente homologar o título para atuar na área no país para onde vai, precisa de passar por mais mil etapas burocráticas das quais não vou falar hoje, mas a gente pode voltar nisso;

8. Seguro de saúde internacional. O meu eu fiz por um ano e depois das mudanças que houveram tive que pagar um seguro de saúde privado lá mesmo da Espanha e outro que cobria inclusive repatriação. Esta é uma parte que ficou muito mais rígida de 2009 pra cá, então fiquem muito atentos;

Depois dessa peregrinação com tanto documento você já está apto a ir ao Consulado, levar toda a documentação e ficar alguns dias que parecem eternos, naquela ansiedade doida pelo deferimento do visto! 

Mas garanto que vale toda a adrenalina e a raiva que a gente costuma passar nos guichês de atendimento. Vale a pena não desistir no meio do caminho. Quando finalmente você obtém o visto de estudante, já pode fazer as malas, ajeitar todas as despedidas e partir feliz e cheio de expectativas para o novo rumo.

Agora, como disse no início do post, ia comentar sobre compra da passagem. Gente, eu comprei a minha desde o momento que fui ao Consulado com a documentação, mesmo sem a certeza do visto, mas já com previsão da data de entrega da decisão deles. Meu visto demorou um monte e por isso cheguei uma semana atrasada para o curso em Barcelona, mas isso tudo se resolveu depois.

Há várias possibilidades para a compra da passagem. O que acho muito importante é que nesta hora não dá pra ter preguiça. É arregaçar as mangas e procurar mesmo. As melhores ofertas, companhias, datas, condições…E não pensar duas vezes em pedir ajuda a alguém que tem mais experiência nisto, que foi o que eu fiz, e deu muito certo. Sempre contei com a ajuda de uma amiga querida que sempre viajava para o exterior a trabalho e que foi imprescindível para esclarecer este tipo de coisa.

Agora, pra finalizar, lembro que para cursos de pouco tempo (3 a 6 meses) o processo é um pouco mais fácil. Compartilhei com vocês a minha experiência para uma estadia de no mínimo 2 anos ( que no meu caso se extendeu a 3). Para qualquer dúvida as páginas da Polícia Federal, do Consulado do país para onde você pretende ir, e blogs de pessoas que compartilham da experiência valem muito a pena serem lidos.

É isso, por hoje. Um beijo grande e bom início de final de semana pra todos nós 😉

 

Anúncios

101 coisas e outros projetos mais

Vai ficar com cara de desabafo, mas vai assim mesmo. 

Gente, meu projeto 101 coisas em 1001 dias e quase todas as coisas que eu gosto de fazer (incluindo também as que preciso) estão ficando de lado, de lado. Explico: planejo, organizo, mas na hora de executar, bate aquela preguiça mor, uma vontade de não fazer nada olhando pra tela do computador, ou morgando no sofá e “o tempo passa…o tempo voa”…e a poupança que não é Bamerindus não continua numa boa! KKKKK.

Mas, sério! Estou precisando de algo pra turbinar a motivação porque assim não vou chegar a alcançar nem 1/3 da minha lista, nem farei a décima parte do que quero para este final de ano que vem pela frente.

Pensando nos motivos que me levaram a esta sensação de apatia (colega do trabalho hoje disse que podia ser mau olhado!!!#abafa#) fiquei confabulando uma porção de coisas, tipo: cansaço acumulado (o ano já começou agitado e até agora a coisa tá que tá); falta de foco (o que é que eu queria mesmo?); falta de disciplina (preciso me concentrar); procrastinação total (por que fazer hoje o que eu posso fazer amanhã, não é mesmo?) e acho que vou ficando por aqui.

Mas lendo essas desculpas motivos dá pra perceber que nada disso é desculpa, né? A empolgação do início do ano com tantos planos foi se esvaindo, mas preciso sacudir.

Resurge das cinzas motivação!!! Vira Fênix! #peloamordedeus#

É isso, hoje estou mais do que chata. 

Sete fatos marcantes

Vi esta brincadeira no blog da Ana e achei legal de responder também. Já que ela deixou o convite aberto, faço o mesmo por aqui!

1. Minha mudança de escola na 8a. série (1994) – comecei a ampliar meus horizontes;

2. Entrar pra Universidade (1998) e cursar os 5 anos de psicologia;

3. Viver em República durante 13 anos da minha vida – aprendi muito sobre conviver com o diferente, sobre respeito mútuo e vivi muitas histórias bacanas;

4.Mudança para a Espanha em 2008 – foi a concretização de um sonho que me trouxe muitas alegrias;

5. Conhecer e casar com Henrique – amo a composição de nós dois;

6. Ter feito terapia durante tanto tempo – sou muito mais leve hoje, deu trabalho mas valeu a pena!

7. O retorno ao Brasil (2011) – processo de readaptação que tem demorado um bocado, mas que tem sido muito positivo no meu aprendizado como pessoa.

Percebo que os fatos marcantes que destaquei têm mais a ver com meu desenvolvimento pessoal do que com qualquer outro aspecto da vida. 

E pra você, quais são os sete fatos mais marcantes da sua vida? Fique à vontade!

Estudar na Espanha – Parte 1

Faz algum tempo eu prometi que escreveria sobre a experiência de estudar uma pós na Espanha. Fiquei devendo, mas começo hoje a saldar minha dívida.

Primeiro quero explicar o seguinte: todas as dicas, impressões, afirmações são baseadas na minha experiência e na escuta atenta de outros colegas que passaram por situações semelhantes. Não é uma verdade absoluta e podem discordar se quiserem.

Escolhendo o destino

Há muitos anos eu tinha o sonho de viver imersa numa outra cultura, idioma, costumes…, e este desejo foi crescendo até chegar o momento de realmente efetivar o sonho. 

Agora a questão era saber pra onde? Bem, primeiro pesquisei os cursos que existiam nas universidades públicas de três países europeus (já havia decidido que o destino seria Europa). Portugal, Espanha e França foram as primeiras opções de busca. Logo de cara me deparei com a barreira do idioma francês e isso me fez pensar que se eu quisesse mesmo ir até lá, primeiro teria que enfrentar várias aulas de francês. Mas na minha cabeça, naquela época, eu não teria tempo pra isso! Eliminado destino França. Depois Portugal tinha lá umas facilidades com o idioma, não seria tanto esforço, mas na minha cabeça eu queria algo mais de aventura. Foi então que a Espanha figurou como forte candidata. Ainda confesso que pensei na Irlanda, Inglaterra, mas assumi que era muita areia pro nível de inglês do meu caminhãozinho…

Fazendo contato

Após buscar os programas de mestrado e doutorado que me interessavam, elenquei vários e-mails de professores que poderiam me aceitar como orientanda.

Elaborei uma carta em espanhol, com ajuda de alguns amigos e enviei um turbilhão de mensagens. Confesso que não foi fácil aguardar, porque ansiedade pouca é bobagem, mas foi muito bom quando começaram a vir respostas.

Depois de entrar em contato com dois professores de universidades e cidades diferentes, acompanhei a data de inscrição no site das respectivas faculdades e me inscrevi! É, foi assim mesmo! Avaliei, pensei, fiz contas e me lancei!

Aguardei muitos meses na expectativa, e durante este tempo adiantei mil papéis, inclusive o passaporte. Foi uma etapa maluca, de muita indecisão, mas vivida com incrível paixão.

Passei, e agora?

Quando chegou a resposta do meu “aceite” na Universidade de Barcelona eu quase tive um treco! Foi uma das melhores notícias da minha vida! Estava almoçando no trabalho e fiz aquele escândalo no restaurante! 

Depois fui contar pra família, que não sabia direito o que pensar, afinal, a filha que já morava fora, ia pra mais longe ainda!

Fato consumado de que pelo menos eu havia sido aceita no Programa de Pós da U.B. iniciei os trâmites para o visto de estudante, processo divisor de águas na vida de quem quer estudar fora.

Essas são cenas dos próximos capítulos.

Palau de las Heures - Universitat de Barcelona - Psicologia

Gostou? Quer compartilhar sua experiência dessa fase gostosa? Escreve aí!