Resumão do Meme

Dia 19 – Qual é o livro que você leu, gostou e recomenda para todo mundo ler também?

Sem dúvida é a trilogia das Crônicas de Arthur, do Bernard Cornwell.

Dia 20 – Você gosta de poesias? Qual o seu poeta ou poema favorito?

Eu tenho minhas épocas de apreciar melhor uma poesia e de apenas ler e achar bacana. Mas tem uma do Neruda que eu gosto, que tem uma história pra mim e que não me esqueço nunca. O nome é Teu Riso.

Deixo só um pedacinho:

(…)

“Ri-te da noite,
do dia, da lua,
ri-te das ruas
tortas da ilha,
ri-te deste grosseiro
rapaz que te ama,
mas quando abro
os olhos e os fecho,
quando meus passos vão,
quando voltam meus passos,
nega-me o pão, o ar,
a luz, a primavera,
mas nunca o teu riso,
porque então morreria.”

Dia 21 – Quanto tempo em média você demora para ler um livro?

Pergunta que tenho me feito ultimamente. Há tempos atrás eu demorava no máximo um mês pra terminar um livro com quantidade de páginas considerável. Agora fazem uns 4 meses que estou lendo o mesmíssimo livro e não vou nem pela metade! No meio disso já comecei outro e terminei um cómic. Mas me sinto estranha…parece que ando improdutiva até pra ler. Eita fase!

Dia 22 – Cite um ou dois livros com títulos que você acha interessante. Você costuma escolher livros pelo título?

Não. Normalmente escolho os livros pela sinopse ou por indicação. Posso até escolher pela capa bonita, mas pelo título não me lembro de ter escolhido nunca.

Dia 23 – Você costumar ler e-books? Ou prefere o bom e velho livro em papel? Por que?

Gente, ainda sou leitora à moda antiga. E nem é porque não goste de e-books, mas ler um livro no pc comum ou notebook não é a minha praia. Acredito que diferente seria ter um kindle ou algo do tipo. Parece de fácil manipulação e visualmente menos cansativo que o pc e derivados. Mas ainda não provei. Planos para quando sobrar uma graninha. Aiiii.

Dia 24 – Você lê um livro por vez ou gostar de alternar a leitura em dois ou mais livros?

Depende do que estou lendo. Mas normalmente recorro ao segundo livro se vejo que estou empatando com o primeiro. É minha maneira de tentar dar um impulso na leitura. Nem sempre funciona, mas eu tento!

Dia 25 – Tem algum livro que você tenha mais de uma edição do mesmo? Se sim, por que?

Não. Meus livros ainda não se repetiram.

Dia 26 – Qual o maior (em número de páginas) livro que você já leu? Quanto tempo demorou? Fale sobre ele.

Ixi, não sei responder a esta pergunta com precisão não! Sei lá, quando era criança lembro que meu recorde na terceira série foram 85 páginas em um dia. Mas depois parei de contar.

Lembro de ler mais de 200 páginas em livros técnicos na época do meu primeiro mestrado, mas literatura não sei dizer.

Pensando em livro grosso assim, sei lá acho que continua sendo a trilogia das Crônicas de Arthur. De verdade não me lembro de nada mais extenso que isso. Na prateleira esperando até que tem. Mas ainda não li.

Acho que vou medindo mais o prazer que sinto do que a quantidade que leio. Mas confesso, gostaria de ler mais rápido porque assim me motivaria mais também. Por enquanto não tem rolado. Quem sabe daqui a pouco?

Dia 27 – Você costuma fazer anotações enquanto lê? Se sim, onde? A ideia de fazer anotações no próprio livro lhe assusta?

Não costumo anotar nada das literaturas que leio. Até dá vontade de vez em quando, naqueles trechos sábios ou passagens de conteúdo existencial de algum personagem, mas eles se vão. O que fica mesmo é a reflexão que um ou outro pode me proporcionar.

Dia 28 – O que você faz quando encontra uma palavra que não conhece durante a leitura? Para para procurar no dicionário? Anota para procurar depois? Ou tenta deduzir seu significado pelo contexto?

Faço ambas as coisas. Depende da circunstância. Normalmente paro e olho no dicionário, mas se tem alguém conhecido perto posso perguntar também. Caso não dê pra encontrar naquele momento e eu ficar muito curiosa posso anotar pra procurar depois, ou memorizá-la. Agora muitas a gente consegue deduzir pelo contexto, né? Comigo é assim.

Dia 29 – Quantos livros em média você costuma comprar por mês? Você costuma comprar livros em sebos, ou prefere as livrarias? Compra muito pela internet?

Infelizmente minha compra de livros não é mensal. Pode ser anual e vir de tacada um montão de livros, mas mensalmente não tenho o hábito de comprar. Passei muito tempo usando bibliotecas públicas e ultimamente tenho uma fila longa aqui em casa pra dar conta. Então não tenho tanta necessidade de comprar agora. 

Dia 30 – Qual foi o último livro que você comprou? Fale sobre ele.

Minha última aquisição foi Os pilares da Terra, de Ken Follett na versão espanhola. Ainda não comecei a ler, mas me deu curiosidade e comprei depois de assistir a dois capítulos da série de mesmo nome. 

O lance do poder da Igreja, a época medieval e personagens que trazem à tona a famigerada discussão sobre a natureza humana me dizem que essa vai ser uma boa leitura. Veremos.

Dia 31 – Qual o livro que você leu esse ano que mais gostou? Fale sobre ele.                                                                                                                                                                                                                                                                                                                         Foram as Aventuras de Tom Saywer, sem dúvida. Porque a história é fofa, porque foi num momento de muita ansiedade e o livro me ajudou a relaxar e porque eu ficava muito mais confiante de que as coisas na vida podem ser vistas co mais clareza e fé, assim como o Tom fazia.                                                                                                                                                                                                                                               É claro que poderia ter uma lista grande, mas este ano tem sido diferente pra mim. Ano de grandes mudanças e de pouca concentração. Não li muitos livros, apesar de ter me esforçado. Mas entendi que na vida tudo tem seu tempo. Não adianta eu forçar a barra. A leitura tem que vir acompanhada de boa dose de diversão e de relaxamento. Senão fica chato!

Que idade literária você tem?

Dia 18 – Você lê livros que não são para sua idade? Como livros infanto-juvenis ou YA para quem é adulto, ou livros adultos para quem é adolescente.

Eu leio livros. Não importa se são para adultos ou não. Este ano mesmo, para o desafio literário li dois que tinham a denominação Infanto-Juvenil. 

Na minha estante existe uma porção de livros de todos os tipos e adoro ler coisas que supostamente não são para a minha idade pois me remete à fantasia e a todo o poder e papel importante que ela teve na minha formação como pessoa.

Como bem diz uma amiga minha do trabalho: o Imaginário está ficando cada vez mais de lado na vida das crianças. Ninguém mais, depois dos 5 anos acredita mais em Papai Noel, em Bruxas e Fantasmas, em Lobisomem, Saci, Cuca, Emília ou em Fadas. 

As crianças vivem no Real o tempo inteiro e isso é muito ruim. É uma perda tremenda para elas e para o mundo, que vai ficando cada vez mais frio, seco e real demais pra gente dar conta. 

Bom, papo psi à parte, eu amo livros de qualquer idade! E tenho alguns esperando na fila. Mas só pra citar aqueles que estão aqui pertinho de mim e que fizeram história pra mim e foram relidos algumas vezes “depois de Grande”, lá vai:

  • O menino do dedo verde, de Maurice Druon
  • O Pequeno Príncipe, de Antoine de Saint-Exupéry
  • O menino invisível,de Álvaro Cardoso Gomes
  • O Poço do Visconde, de Monteiro Lobato
  • Coleção O Cachorrinho Samba
  • Série Vagalume quase todos!
 

Resumo Meme Literário 2011

Dia 14 – Se você pudesse fazer uma pergunta para o seu escritor preferido (vivo ou morto), qual seria o escritor e qual seria a pergunta?

Olha, de verdade, por mais que eu ame de paixão alguns autores não consigo definir um que seja O Preferido. Mas, para responder este Meme vou falar de uma curiosidade minha com relação a uma série de personagens criados por Neil Gaiman. Sou apaixonada pela série de Sandman e especialmente por uma de suas irmãs, a Morte

Esquisitices à parte, sempre fui chegada em coisas mórbidas, sombrias, estranhas…Tá, tá, pode me chamar de Mortícia como minha irmã mais velha, ou do nome que quiser, mas não nego. Sou uma pessoa estranha! Enfim, amo a personagem dos quadrinhos do Gaiman e apesar de imaginar que esta foi uma criação a 4 ou mais mãos, gostaria de perguntar de onde saiu a idéia de criar a Morte com esse estereótipo: uma mocinha gótica, engraçada, de super bom humor e boa gente pra caramba! Acho o lance dela ter que morrer a cada século o maior barato! Segundo a própria, isso serve para que ela também passe pela experiência a qual proporciona a todos os mortais. Sei lá, sacadas deste tipo, sabe? Gostaria de perguntar como veio essa figura, como foi pensada e o processo até chegar nessa personagem tão interessante! É isso! Óbvio, sem contar a chuva de perguntas que com certeza faria se tivesse chance de mais! Hehehe.

Dia 15 – Qual é o seu vilão literário favorito? Por que?

Veja bem, eu pensei muito e cheguei à conclusão que, fora as histórias tipo, O Senhor dos Anéis, Crônicas de Arthur, Brumas de Avalom, eu tenho lido poucos livros onde os personagens possuem uma definição assim tão clara como vilões. Tudo bem que poderia falar do Crowley de Bons Presságios, mas não é o caso. 

O que eu gosto mesmo são daqueles personagens que de tão bem elaborados fazem você pensar: ele(a) é ou não um(a) vilão(ã)? E aí meu povo, acho que poucos personagens bateriam o recorde da Capitu do livro Dom Casmurro, de Machado de Assis. Caramba! Que livro! Faz muito, mas muito tempo que li, depois fiquei sabendo que aqui no Brasil fizeram uma série baseada no livro, a qual não vi. Mas pra mim, sem dúvida este é o meu personagem favorito daqueles que figuram entre mocinha e vilã. Lembro das altas discussões nas aulas de português do meu segundo ano de ensino médio. Nesta época todos estávamos muito engajados nos projetos que fizemos para contar as histórias dos clássicos. E a Capitu era de longe daqueles personagens que a galera amava e odiava. E por isso eu gosto tanto dela. Porque pra mim, afinal, não existe ninguém 100% bom, nem 100% mau. E é aí que mora o perigo! 

                                                                                                                       

Dia 16 – Cite um livro que você achou que não iria gostar e acabou adorando. Fale sobre ele.

Mentiras no Divã, do Irvin D. Yalom. Quando eu peguei para ler achei que ia ser clichê demais uma história onde a gente encontra: um psicanalista, uma paciente cheia de problemas e um monte de acontecimentos no mínimo extravagantes. Mas eu insisti. Levava o benedito livro todo dia comigo no metrô e quando cheguei na metade do livro para frente percebi que estava amarrada na trama e fazendo altos paralelos com a teoria e a minha pouca vivência psicanalítica.

Foi uma leitura que me surpreendeu e adorei ter lido.

                                                                                                                       

Dia 17 – Cite um livro que você achou que iria gostar e acabou não gostando. Fale sobre ele.

Memórias de minhas putas tristes, do Gabriel García Márquez. Gente, eu ganhei este livro de presente, juro que tentei gostar da história. Li do início ao fim, mas não gostei do jeito que tinha pensado no momento em que vi o livro.

Nem sei explicar bem o porquê disso, mas acho que foi pela história circular: termina mais ou menos como começou. E também porque tanta miséria humana junta, na tentativa de ser minimamente poético, acho que me doeu na alma. Não tenho nada contra escrever “realidades”, ao contrário. Mas acredito piamente que meu encontro com esta história se deu num momento no qual eu estava “vivendo realidades demais”, escutando histórias duras demais no trabalho e por isso não consegui “digerir” o livro. 

Se eu pudesse…

Dia 13 – Se você pudesse trocar de lugar com o personagem de um livro, qual seria? Que história dessa personagem você gostaria de viver?

Ixi, hoje eu to pouco concentrada pra responder o Meme, mas assim de cara eu diria que gostaria de ser a Morgana de Brumas de Avalom. Mas também ficaria muito satisfeita de poder viver na pele de Arthur, personagem da trilogia As Crônicas de Arthur, do brilhante Bernard Cornwell. A história é interessantíssima e o cara é muito, muito fera! 

Mundo fantástico

Dia 12 – Se você pudesse conhecer um lugar/mundo que só existe nos livros, qual seria? Por que?

Bom, sem dúvida que minha primeira resposta é Terra Média onde se desenvolve toda a trama da saga O Senhor dos Anéis, do fofo e inteligentíssimo J.R.R. Tolkien. Seria incrível conhecer um lugar aparentemente calmo mas com tantas aventuras e possibilidades fantásticas. Sem contar que me empolga muito toda a natureza narrada, o sentimento de honra dos personagens, a alegria dos Hobbits e a sabedoria e beleza dos elfos. Só pra dar alguma idéia do porquê eu escolho a Terra Média como primeira opção de resposta.

Mas, também lembro de um livro que li nos tempos da faculdade e que me deixou esse gostinho. Ficava fantasiando como seria viver ali e sem dúvida me encantaria poder conhecer o planeta Darkover da trama de Marion Zimmer Bradley intitulada A Rainha da Tempestade. Lá os habitantes tinham a capacidade de desenvolver habilidades sobretudo mentais e ali nasceu a personagem que controlava as tempestades e que é a principal da história. O lance seria poder estar num lugar onde os seres são capazes de ler a mente, de controlar o vento, de voar de controlar tempestades… e de quebra poder apreciar 4 luas e um sol vermelho! Ufa. Já pensou? Não cheguei a ler todos os livros da série Darkover, mas é das listas de espera da fila!

E vocês, por quais mundos fantásticos andam se perdendo?