Louca, louca, louca

É, parece que passa semana, entra semana e eu não fico muito longe da musiquinha da Malu Magalhães, ou melhor seria da Shakira: Louca, louca, louca. Confesso que não ando batendo bem da cabeça. Nada muito novo, já sei. Mas é que ainda tenho aquele desejo lá no fundo de que um dia serei uma pessoa mais sensata, equilibrada, organizada e por aí vai. E que o destino vai ser bonzinho comigo . Coelhinho da páscoa existe?

Essas duas últimas semanas estive com minha sobrinha de 12 anos aqui em casa, de férias. E assim: eu trabalho o dia todo, o serviço não é nada ligth e pra melhorar eu ando com a imunidade lá na zona abissal. Daí que todos os meus planos meio que foram por água abaixo e não deu pra fazer nem 1/3 do que tinha imaginado. Mas, as três idas ao shopping foram mágicas pra ela, que muito a contra gosto da tia que vos escreve, é consumista pra c&@%$*! Discordâncias à parte, creio que nesse tempo eu e marido nos distanciamos um pouco e agora que temos mais tempo juntos eu estou naquele início de TPM bonito. Ai, ai, mereço.

Não bastasse a rouquidão que me perseguiu a semana inteira, ando com o corpo ruim e fula da vida com todos os projetos atravancados. O bendito do financiamento imobiliário travado com pequenos detalhes, as idas ao banco quase inúteis pra discutir o sexo dos anjos com um atendente péssimo, mas respira, conta até duzentos que as coisas vão melhorar. 

A casa tá aqui, suja que só, abandonada coitada. A leitura do DL ali me pedindo por favor, volta! A despensa diminuída e zero vontade de ir ao supermercado.E eu relembrando o episódio de ontem. Pessoa feliz porque era sexta-feira e  não estou de plantão no serviço, tomei o ônibus, peguei um engarrafamento de merda e o sem noção do motorista não quis abrir a porta pra eu descer, mesmo eu já quase tendo um troço dentro do busu lotado. Aí vou eu fazer uma notificação e correr atrás do primitivo pra buscar explicações já que durante o trajeto não parou de falar asneira, quando sou comunicada pela pessoa responsável por esses assuntos, que não ele não podia fazer nada, que isso acontece mesmo e que eu tinha que me acalmar e agradecer a Deus não ter desmaiado dentro do veículo. Nessa hora ainda veio um outro funcionário tentando fazer o sinal da cruz na minha testa pra ver se o diabo no corpo acalmava! Olha, meu povo, era tudo o que eu precisava pra surtar de vez! O serviço não funciona, eu arrasada na sexta-feira, passando mal e o cara me falando que não podia fazer a função para o qual é pago e que ainda eu tinha que bater um papinho com Deus agradecendo? Alow! Pirei. Que país é esse? Não vou me alongar, mas esse discurso religioso fajuto tá me deixando cada dia com mais raiva. Respeito as diferentes crenças, mas não me venha confundindo o lugar das coisas.

A cabeça não pára e é justo nesses dias quando estou insatisfeita com o que vivo que fico pensando em mudar daqui, em mandar o financiamento do apartamento pras cucuias e torrar tudo mudando de país e vivendo um dia de cada vez, e nada de pensar no futuro. É lógico que passa, meu povo. Mas sinceramente, hoje precisava exorcizar isso por aqui. 

Vou tentar tomar um chazinho, ver se encontro algum filme bacana pra assistir e tentar terminar meu sábado com um pouco menos de veneno escorrendo da boca. É isso. 

O que eu tenho de torta, eu tenho de feliz

Eu nem tenho uma opinião fechada sobre a Malu Magalhães. Quando ela começou a ser conhecida na internet eu tava na Espanha e achei a moleca bem interessante. Depois de um tempo cansei do Tchubaruba e nem olhei mais nada dela. Levei um susto quando um contato meu do Facebook postou um vídeo dela já uma mocinha. Hehehe. Foi então que voltei a escutar o som feito pela magrela maluquinha.

Não acho que seja uma ultra revelação da música brasileira, às vezes enjôo da voz dela e tudo, mas mesmo assim tem coisa dela que gosto e sinto uma simpatia. E lembrando que eu não tenho que justificar meu gosto musical, e que apenas quero deixar um oizinho no meio dessa semana louca, coloquei esse clip que é um pouquinho do que sinto. 

Boa quarta-feira Velha e Louca para todas as Luluzinhas que frequentam o blog. E para os Bolinhas também, claro!

Bjocas

“Nem vem tirar
Meu riso frouxo com algum conselho
Que hoje eu passei batom vermelho,
Eu tenho tido a alegria como dom
Em cada canto eu vejo o lado bom.” (M.M)

Achei legal e compartilho

De vez em quando vou colocar aqui no blog alguns links de coisas aleatórias que me chamaram a atenção. Não vai ser algo semanal mas assim creio ser uma forma bacana de compartilhar informações sem precisar me deter ponto a ponto. É isso. Achei legal e compartilho com vocês:

1. Loja virtual de camisas com estampas de temáticas diversas. http://www.bant-shirts.com/
2. Site sobre fotografia, com uma galera bacana. http://www.queimandofilme.com/
3. Blog fofo de decoração que tenho visitado ultimamente. http://www.dcoracao.com/
4. Para quem tem curiosidade sobre quais são os filmes em cartaz na Espanha, selecionei um cinema que adorava ir. http://www.cines-verdi.com/
5. Blog sobre fotografia e ilustração. http://ulicam.blogspot.com.br/

Boa semana para nós tod@s

PS: Notem que há um erro aí na hora de colocar os links. Coisas do wordpress que ainda não resolvi.

Reminescências

Domingo, dia começou com um sol forte lá fora e eu na cama chateada porque não consegui dormir direito – dor de garganta, again! Depois de um banho quase gelado, um bom café da manhã e vitamina C na veia, fui arrumar umas coisas da casa e depois fiquei olhando imagens na internet. Foi aí que me veio uma vontade de escutar músicas em espanhol e lá fui eu buscar no Youtube os cantores e cantoras amados. Início de um processo gostoso de lembranças de todos os tipos da época em que vivi em Barcelona.  Tudo bem que se alguém lê esse blog vai acabar percebendo que vira e mexe essa cidade é homenageada por aqui. Claro que não é à toa, né gente? Eu amo mesmo Barcelona. E hoje revivi através das lembranças dos lugares, dos cheiros, das cores, uma porção de histórias super especiais vividas naquele lugar, que pra sempre vai ficar marcado como a melhor loucura já experimentada até hoje. 

Depois de tanto perrengue para conseguir chegar até lá, os 3 anos foram de muita vida e muitos causos pra contar. Mas hoje minha dor de garganta tá me deixando pouco inspirada pra escrever. Então vou deixar algumas imagens que representam muito desse tempo que não volta mais e que foi eterno enquanto durou. Piegas? Na boa, não to nem aí. É o que sinto, #prontofalei#

Cervejinha com a galera depois da aula do Máster da UB. No Teatre Neu
Ida de trem à Sitges. Brasileiro gosta mesmo de praia!
Show do Jarabe de Palo em Badalona

Vista de Montjuïc. Um dos meus lugares favoritos!
Cores del Born
Park Güell
Vista de Tibidabo
Pizza dos Argentinos no Born
Fim de tarde na Barceloneta

Tenho mais uma porção de fotos que gostaria de colocar aqui, mas vou aprender primeiro a criar um painel porque senão vocês vão enjoar de rolar esse post.

É isso, domingo de reminescências felizes de um tempo querido que passei em Barcelona. Saudade dos amigos, dos risos e dos perrengues. Feliz por ter vivido tudo isso.

E vocês, que lembranças gostosas tem para compartilhar? 😉

Virando gente grande

Hoje é sábado e passei a metade do dia numa saga que começou faz uns meses e vai se estender até não sei quando. A saga é a da compra do primeiro imóvel. Pois é, a gente cresce, vive um bocado de coisa e depois tem vontade de criar raízes ou de pelo menos ter um lugar no mundo pra chamar de seu. Bom, com muitos desvios pelo caminho, e ainda sem valorizar tanto a estabilidade, eu entrei para a estatística dos que estão em busca da casa própria. 

Esse é um post para inaugurar a série de alguns que vem pela frente com a mesma temática. Afinal, é um processo que promete ser bem intenso. 

Posso adiantar que eu e meu marido estamos naquela fase de olhar muitos anúncios, sites de imobiliárias, avisar aos amigos que estamos nessa busca e também ir procurando pela cidade o que nos interessa. Como a gente vive na Região Metropolitana ainda não decidimos exatamente o município, mas temos fortes candidatos. 

Daí que na segunda passada fomos olhar um apartamento que teoricamente seria só mais um e…bingo! Amor à primeira visita! Amplo, preço interessante, condição do imóvel “xuxu beleza”, entorno tudo de bom dentro dos nossos critérios…enfim. Apaixonamos. Mas daí que a proprietária disse que estava vendido para outra pessoa já no dia seguinte. Um pouco chateados sacudimos a poeira e continuamos a busca. Até que na quinta ela liga de volta dizendo que não estava vendido ainda e que nos daria prioridade. Desconfianças à parte ficamos animados e hoje voltamos até lá durante o dia (na primeira vez havíamos ido à noite) pra checar melhor e conversar melhor com a proprietária. Olhando bem, com mais calma percebemos que é mesmo aquilo ali que estamos buscando.

Então, galera, daqui pra frente vou usar esse espaço para compartilhar também esse processo de aquisição da minha primeira casinha, e da minha primeira dívida significativa. Confesso que isso tudo ainda não tá tão simples pra mim como parece na minha escrita. Mas pouco a pouco vou expressando o que sinto sobre fincar os pés num lugar, com direito a dívida, sola de sapato gasto, muitas idas ao banco e altos e baixos. 

Espero que vocês gostem de acompanhar essa saga da vida real.

Besitos