Projetos em andamento

Olá possíveis pessoas que lêem o meu blog! Estou passando hoje para dizer que a vida online anda devagar, mas offline “o bicho tá pegando” e eu estou muito feliz com essa nova fase, apesar da canseira sem fim.

Quero apresentar pra vocês algo que não é novo na net mas que depois de bastante tempo tentando engatar, é novo pra mim! É o Projeto desenvolvido pela Mi Müller há tempos atrás mas que quero fazer agora pra este meu 2012.  A idéia é: através de um tema por mês, fotografar 12 cenas, pessoas, objetos, enfim.    Acredito que nesta minha nova etapa da vida, com nova rotina e pouco lirismo no cotidiano, vai ser bom e importante me dedicar  a coisas ligadas a arte, a sensibilidade, a leveza. 

Então, pra ser coerente com o projeto farei o esforço de publicar aqui e no meu Flickr as fotos de cada mês, a começar pelo último dia de cada um. Então, amanhã é dia de postagem. Mas sempre lembrando que é pra ser leve, gostoso, traquilo. Nada obrigatório.

Sobre o formato do Projeto, seguindo a lista da Mi Müller alterei a ordem dos temas e fugi um pouco do que ela propôs e fiz esta lista aí:

Janeiro: Preto e branco
Fevereiro: Auto-retrato
Março: Objetos
Abril: Hobbies
Maio: Noite/Amanhecer
Junho: Natureza e Bichos
Julho: Pessoas e expressões
Agosto: Lugares
Setembro: Partes do corpo humano
Outubro: Lomography (Fisheye e Diana)
Novembro: Cotidiano
Dezembro: Paisagens
 

Então é isso, pessoal! Se alguém quiser participar, criar o seu formato, fique à vontade. Mas se lembrar, comunique. É legal acompanhar os projetos que surgem! 

Hasta luego 😉

Anúncios

Ilustração e cómics galegos

Eu sou fã confessa de cómics há muito tempo. Descobri aqui na Espanha que eles também chamam os quadrinhos de tebeos ou banda diseñada.

Minha história de amor com o cómics começou quando lia a turma da Mônica. Depois ganhei uns exemplares de uma história de vampiros que não consigo me lembrar o nome! Lembro que minha mãe ficava desesperada de me ver devorando aqueles livros de “bichos feios”, como ela chamava.

Muuito tempo mais tarde, descobri a Neil Gaiman e aí a paixão ficou definitivamente consolidada. Li toda a saga, comprei alguns livros da edição de luxo e me encantei pelo personagem da Morte – eu já tinha uma quedinha por coisas estranhas, convenhamos!

Uns anos mais tarde a lista de autores e de ilustradores de quadrinhos foram aumentando, e depois que fui ao 26 Salão do Cómic em Barcelona (2008) virei uma freak!

Lá conheci alguns autores galegos que adorei! Até então só tinha ouvido falar de Miguelanxo Prado e finalmente pude ver muitas das obras dele e me encantei! Comprei o vídeo de animação do De Profundis (lindíssimo), li Trazo de Tiza e comprei faz poucos dias La mansión de los Pampín.

Outro galego que me conquistou foi Alberto Vázquez com sua obraPsiconautas (tenho dedicatória e tudo!). E faz pouco tempo uma amiga querida, filóloga galega me passou a página de David Pintor, que ilustrou Compostela com uma poética linda e traço super fofo!

Para quem gosta de quadrinhos fofos esses autores são boa pedida! Boa leitura 🙂

Viver em Barcelona é…

Então, há três anos atrás eu cheguei em Barcelona com duas malas e um monte de sonhos na cabeça, pronta para começar a estudar outro máster e louca de vontade de aprender a me comunicar, viver a cidade e a experiência de estar aqui.

Pois bem, passado este tempo tenho um monte de histórias bacanas para contar e muita coisa boa que recordar também. Lembrando um pouco da fase de adaptação -longa e que até hoje não acabou- penso naqueles detalhes que te afirmam que você não está mais no seu território.

Por exemplo: você começa a sentir que está vivendo na Espanha, especialmente em Barcelona quando:

– andar pelas ruas e ver aquela multidão de turistas se torna “o pão de cada dia”;

– de repente você também começa a chamar os turistas de “guiris”;

– seu senso estético começa a ser influenciado por um sem fim de estilos, e achar legal aquela franja “a la catalana” é o mais normal do mundo;

– sem querer você se acostuma com o mau cheiro dentro do metrô, e em alguns casos como o meu, também acaba tendo que tolerar o mau cheiro no local de trabalho (é, esse negócio de banho todo dia em inverno é algo muito “nosso”, muita gente aqui cultiva aquele “cheirinho especial”);

– começa a se acostumar com o mau humor do povo que parece não ter fim e se assusta quando alguém é muito amável;

– usa as pernas para se locomover mais do que qualquer outro meio de transporte e acha super legal porque realmente a cidade está adaptada pra isso;

– adora sorvete no frio, também leva pão (com alguma coisa dentro) para comer durante o passeio (e não acha cafona) e faz uso da bicicleta com certa frequência (se bobear tem até o cartão do Bicing);

– você nota que está em Barcelona quando escuta catalão 24 horas por dia e começa a dizer “adéu” e “siusplau” sem se dar conta;

– depois de um certo tempo começa a ser fã de Buenafuente, Berto Romero e no meu caso também de Sé lo que hicisteis e Belén Estéban (argh!) já virou figurinha fácil mesmo sem acompanhar “la prensa del corazón”;

– fica fascinado com a quantidade de atividade cultural que acontece na cidade e fica feliz de ver Picasso e Miró de graça nos eventos abertos ao público;

– você se dá conta de que está vivendo em Barcelona quando faz topless no verão e acha muito normal;

– comemora o dia de São João (San Joan) como se fosse ano novo e arranja formas alternativas de passar o Ano Novo em pleno inverno sem deprimir;

– comemora o dia de San Jordi – e fica alucinado com tantos livros e flores pelas ruas da cidade e adora ganhar uma rosa e um livro de algum amigo ou do namorado;

– começa a conhecer gente de tudo que é lugar e normalmente vai à festas nas que encontra com literalmente meio mundo de etnias e todoso se esforçam em comunicar-se, mas nada de muito abraço nem demonstrações efusivas de afeto;

– e quando “cai a ficha” dessas e outros milhões de detalhes mais, você se sente feliz por ter vivido tudo isso e no meu caso – como é hora de voltar – já fica saudoso de cada pedacinho da cidade, de cada pessoa e experiência vividos.

Jo t’estimo Barcelona! 😉

 

Panorâmica


Mercat Els Encants Vells

fachada exterior

Sábado de manhã, um sol lindo lá fora e clima de outono em pleno inverno de BCN. Daí que a gente não resiste a essas coisas, e somando a nossa necessidade de comprar coisas para a viagem fomos uma vez mais ao querido mercado de “Encants”.

Este é um dos mercados mais velhos da Europa, com registros de existência desde o século XIV, possui em torno de 15.000 metros quadrados e uma incrível mistura de mercadorias, etnias, preços, enfim. Um passeio divertido para quem gosta de pechincha, de clima de feira e de objetos dos mais variados. Eu destaco tudo o que é antigo porque, gente…é incrível e dá muita coceira na mão de vontade de gastar o que não se tem em coisas suuper bacanas, desde decoração até livros e mobiliário completo!

Hoje fomos para tentar conseguir coisas para o transporte da nossa gatinha Xica, mas tinha tanta gente e o clima tava tão gostoso que nem fiquei triste de não encontrar o que estava buscando. Fiquei pensando no tanto que se pode aproveitar desse tipo de mercado quando usamos a criatividade para transformar peças antigas e vintage em artigos bacanas e de uso com um mega estilo. Fico até com pena de ser tão pouco criativa com relação a essas coisas, mas fazer o que? Ao menos dá pra aproveitar todo o clima de gente pra cima e pra baixo, coisinhas fofas por todos os lados, preços bara, bara e o intercâmbio de idiomas, de etnias, de formas de vida – puxa, impagável!

extensão do mercado

A primeira vez que fui confesso que me assustei um pouco porque por conta da triste idéia de que “na Europa tudo é mais organizado e mais bonito”, eu achei o mercado um caos muito grande e ainda não tinha desenvoltura para lidar com o mau humor típico de grande parte dos catalães, nem com a barganha dos paquistaneses, mas depois de um tempo e de muitas idas vejo El Encants Vells com outros olhos: como um lugar cheio de vida, de contato, de história mesmo.

Para quem tem pretensão de passear por Barcelona em algum momento e gosta de antiguidades, eu super recomendo uma visita a Encants. E para motivar ainda mais a visita informo que este paraíso da velharia está entre a Sagrada Família e a torre Agbar. Quer melhor? 😉

parece longe, mas tudo é super perto em BCN e caminhar é delicioso!